BRASIL, Mulher, de 26 a 35 anos, Portuguese, English, Cinema e vídeo, Viagens

 

    Animao
  Blog da Denise
  Bonjour de France
  Dea Soares
  From the Kitchen Table - Erica Watanabe
  Lucia Nascimento
  Por onde passamos
  Sake-ice - Blog da Ilka
  Strudel de banana


 

 
 

   

   


 
 
Thé mais ver



Tchecos e relacionamentos (conjugais)

(Antes de escrever o post, admito que estou fazendo generalizações; lógico que não fiz nenhuma pesquisa comportamental. Abaixo relato apenas o que eu notei no meu pequeno círculo social - composto por uns 100 tchecos, mais ou menos).

No Brasil é quase sempre assim: o casal namora, depois resolve morar junto e, mais tarde, casa. Há aqueles que decidem não morar juntos e noivam durante anos, até terem as condições necessárias para construir uma família. Aqui é praticamente a mesma coisa, mas os tchecos enxergam o casamento de maneira um pouco diferente.

Para um brasileiro, morar junto é praticamente um "um treino" para o casamento, ou o casamento em si, mas sem toda a burocracia. É uma decisão demorada, pensada, que requer certeza de que a relação pode durar. Já para o tcheco, morar junto é uma questão de praticidade e economia. Aqui não existe motel - ninguém quer gastar dinheiro para "fazer coisinhas" - e se a idéia é sair da casa dos pais, por que não chamar a namorada para rachar as contas? Não importa se o relacionamento só tem um mês: tchecos não têm medo de encarar o convívio sob o mesmo teto. Se não der certo, um sai e arranja outro lugar, simples assim.

Esse olhar prático dos tchecos também se vê no modo como eles nomeiam o parceiro. Namorado é namorado, enquanto não assinar o papel. O casal pode morar junto há dez anos, eles ainda referem-se um ao outro como "namorado" (na verdade, a palavra "pritel", que significa "namorado", também é utilizada como "amigo").

Mas quando os tchecos decidem, então, casar-se oficialmente? A resposta é, de novo, a mais prática e objetiva possível: quando eles decidem ter filhos. Três meses depois do casamento, é batata: lá está a recém-casada, com a barriguinha saliente.

Minha sogra chegou a pedir à minha cunhada que tentasse engravidar antes de marcar o casamento. Assim, ela teria certeza que o marido era fértil. Brincadeira ou não, foi o cúmulo do pensamento prático tcheco.

***

Sim, este foi o segundo post da série "Tchequices: três coisas que você precisa saber sobre a República Tcheca antes do blog da Tati morrer".

***

Desculpem-me se eu falei aqui alguma coisa que eu já tinha falado anteriormente. Estou velha e não lembro mais da metade do que já escrevi aqui.

***

Eu ainda estou um pouquinho obcecada pelos malucos da poligamia, mas fiz um tópico sobre monogamia, sinal que estou melhorando :D



Escrito por Tati Thé às 08h06
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]





[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]